APEMG en la Prensa

APEMG fue representada en diversos programas

Desde que se lanzó el Manifiesto por la Calidad de la Enseñanza del Español en Minas, en septiembre, nuestro Presidente José Pires fue invitado a participar en cuatro programas para abordar la cuestión: dos radiofónicos y dos televisivos.

El primero fue el 01/10, en la Radio UFMG Educativa, en el Progama “Conexões”, presentado por Elias Santos. Para escuchar la entrevista click en el radio abajo

 

 

El segundo fue el Programa “Caleidoscópio”, en la TV Horizonte, el 10 de octubre.Bajate abajo el release del Programa Caleidoscopio

 

Después, el 11 de octubre, José Pires dio nueva entrevista para la Radio UFMG Educativa, para otro programa, y el 26 de octubre fue entrevistado en vivo en el Programa “MG no Ar”, de la Red Record, a las 6h45h en la “Praça da Estação”, en Belo Horizonte.

Con esas participaciones se puede llevar al público la cuestión absurda de la “capacitación” en 30 días y llamar la atención de otros vehículos de comunicación. Al comentar las entrevistas, José Pires dijo que han sido una excelente experiencia y que nota su progreso al hablar en público sobre ese tema.

Arriba


El miércoles 28/11, día del Manifiesto Público por la calidad de la enseñanza del Español en la “Praça Sete”, el periódico O Tempo, de Belo Horizonte, publicó el siguiente reportaje:

Ensino do espanhol ainda sem critérios

Obrigada a oferecer língua estrangeira até 2010, Secretaria de Educação ainda estuda implantação de nova disciplina

CAROLINA COUTINHO
A Secretaria de Estado da Educação (SEE) ainda estuda qual estratégia irá utilizar no processo de implantação da disciplina de espanhol na rede pública. Até 2010, todas as unidades de ensino médio do Brasil serão obrigadas a ofertar aulas dessa língua estrangeira, conforme determinação da lei federal nº 11.161, de agosto de 2005. Para se enquadrar, o governo de Minas Gerais terá de atender a cerca de 1.800 escolas de ensino médio.
Embora ainda falte mais de dois anos para o fim do prazo estipulado pela lei, a indefinição tem gerado insegurança. A Associação dos Professores de Espanhol de Minas Gerais (Apemg) teme que o Estado adote uma solução caseira, ao treinar docentes de português e de inglês para que assumam também as cadeiras de espanhol. Segundo o presidente da entidade, José Pires Cardoso, o processo se daria em cursos relâmpago, com duração de um mês. "Trinta dias não é tempo suficiente para ninguém aprender uma língua", denuncia ele. Cardoso salienta que os profissionais mais indicados para a função são os formados em letras e licenciados em espanhol, que deveriam ser contratados via concurso público.
Ainda de acordo com o presidente da Apemg, são necessárias cerca de 2.800 horas de aula de espanhol para uma pessoa ter capacidade de lecionar. A SEE desmente a informação e diz que houve um mal-entendido. Conforme a assessoria de imprensa, cursos de capacitação de curta duração são oferecidos a professores de várias disciplinas com regularidade. Quanto à realização do concurso, a secretaria diz que ele será realizado conforme determinação da lei nº 11.161, mas ainda não há data prevista para a publicação do edital.
Seminário
Na sexta-feira, em seminário interno realizado pela SEE sobre educação no ensino médio, a expectativa é que a Apemg apresente uma proposta para a implantação da língua espanhola como disciplina na rede pública. Isso não quer dizer, entretanto, segundo a secretaria, que a definição decorra do seminário.

Professores realizam ato público hoje
Realizado hoje, às 11h, na praça Sete, no centro de Belo Horizonte, em protesto contra a indefinição sobre a implantação da disciplina espanhola no ensino público médio. A manifestação contará com a participação de membros da Associação dos Professores de Espanhol de Minas Gerais (Apemg), do Sindicato dos Professores de Minas (Sinpro-MG), de professores e estudantes da língua espanhola.
Na ocasião, os organizadores irão recolher assinaturas para um abaixo-assinado, que deverá ser enviado à Secretaria de Estado de Educação, pedindo a abertura de um concurso público para professores do idioma.
A estudante do curso de letras da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mariana Ruas, disse que participará do protesto pois quer ver ampliado o mercado de trabalho para os professores de espanhol. “É muito difícil conseguir emprego nas escolas particulares. A abertura de vagas na rede estadual seria um caminho para entrar no mercado de trabalho”, afirma. (CCo)

José Pires

 

 

 

 

 

Foto: RODRIGO CLEMENTE

Presidente da Apemg, José Pires Cardoso teme que professores de português e inglês sejam adaptados para lecionar espanhol

Visita también la página del periódico para leer el texto pulsando aquí

También el miércoles 28/11 nuestro presidente José Pires dio entrevista en la Radio CBN

Arriba